terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Paris-Dakar from Zigurat [ZX Spectrum]


Todos os anos, aquando da maior prova de todo-o-terreno do mundo, a nostalgia atinge-me de uma forma inimaginável. Sou fã de videojogos há 20 anos e nessa era o Sinclair ZX Spectrum dominava. O primeiro jogo que comprei para esta máquina, antes ainda de a ter, foi o Paris-Dakar de uma companhia espanhola - Made in Spain e distribuído pela Zigurat.
Quando finalmente coloquei as mãos no meu Spectrum +2A, poucos eram os jogos que "entravam". Que frustração. Nunca me passou pela cabeça devolvê-lo para reparação ou substituição, tal era a vontade de jogar. Talvez precisasse simplesmente de uma ligeira afinação da cabeça do leitor/gravador incorporado. Aos poucos fui conseguindo jogar os já muitos jogos que possuía na colecção, mas o famigerado Paris-Dakar teimava em apresentar aquela mensagem demoníaca "tape loading error".
Numa bela tarde, resolvi colocar a cassete uma vez mais no Spectrum e ficar a premir a tecla "enter" para ver o que dava. E não é que o jogo entrou? Alegria total! Pulos, sorrisos, gritos de euforia!


Resumindo, Paris-Dakar no ZX Spectrum foi, até hoje, o mais envolvente simulador que joguei.
O jogo desenrolava-se em três etapas: Europa, desertos do Sahara e Teneré com destino a Dakar, sendo cada etapa um desafio incrível. O Road-book dispunha das direcções correctas a tomar; 5 Km para Norte, 2 Km para Este, 15 km para Sul, etc. Teríamos que reiniciar o conta-quilómetros parcial a cada mudança de direcção para que tudo desse certo. Muita atenção também ao nível de água, estado da caixa de velocidades e ao depósito de combustível! Pelo caminho havia zonas de abastecimento e reparação as quais não podíamos desprezar. Mas, mesmo com todos estes cuidados, chegar ao final das etapas intacto e bem classificado era quase impossível, mas concretizável!
De todas as vezes que o jogo era carregado, os circuitos geravam-se aleatoriamente. Isto significa que nunca poderíamos saber para que lado era a primeira curva. Na época, esta simples característica era suficiente para me manter agarrado ao computador tornando a longevidade quase infinita. E para que este título se destacasse dos restantes, até mesmo aquando de uma desistência, o simples rótulo "game over" não foi o suficiente para os programadores da Made in Spain. Assim sendo, ao premir a tecla de "quit", um helicóptero surge no ecrã, recolhe o piloto e desaparece no horizonte. Simplesmente genial!




In English:
Every year, when the greatest off-road race in the world begins, nostalgia hits me in an unimaginable way. I'm a huge video games fan for 20 years now, back in the glorious Sinclair ZX Spectrum days. The first game I bought for this machine, even before I got it, was Paris-Dakar from a Spanish company - Made in Spain.
When I finally got my hands on my Spectrum +2A, few were the games that worked. That caused me some frustration. Never crossed my mind to return it for repair or replacement, such was the desire to play games. Maybe it needed just a slight adjustment on the head of the incorporated tape reader/recorder. Gradually I was getting to play the many games that I had in my collection, but the infamous Paris-Dakar game persisted in presenting that "tape loading error" demonic message.
One fine afternoon, I put the tape once more in the Spectrum and hold the "enter" key just to see what could happen. I couldn't believe my eyes! The game worked! Total joy! Jumps, smiles, shout of euphoria!
In short, Paris-Dakar in the ZX Spectrum is, until today, the most absorbing simulation I've ever experienced.
The game unfolded in three stages: Europe, the deserts of Sahara and Teneré bound for Dakar, being each step an incredible challenge. The Road-book had the correct directions to take; 5 km to the North, 2 km to the East, 15 km to the South, etc.. We would have to reset the partial kilometre counter with every change of direction to get it right. Much attention also to the level of water, state of the gearbox and the fuel tank! Along the way there were areas of supply and repair for us to stop. But even with all these precautions, reaching the chequered flag intact and well classified was almost impossible, but achievable!
Every time the game was loaded, the circuits were randomly generated. This means that we could never know to which way was the first curve. In that time, this simple feature was enough to keep me hooked to the computer making the longevity almost endless. And for this title stand out from the rest, even during a withdrawal, the mere label "game over" was not enough for the programmers of Made in Spain. Thus, when you press the "quit" key, a helicopter appears on the screen, picks up the pilot and disappears in the horizon. Simply brilliant!

1 comentário:

  1. Olá,

    Que memórias isto me traz. Tardes perdidas à procura do caminho certo. Nunca cheguei ao fim daquilo :)

    Hei-de tentar novamente um dia desses!

    ResponderEliminar